• Kátia Boroni

Entrevista Zoraide Braz

Atualizado: 18 de Jun de 2019



Zoraide Braz: Fotógrafa de animais e corujeira assumida

Zoraide é fotógrafa e proprietária, juntamente com seu marido Wagner Ávila, da Agência Animal Legal, fundada em Maio de 2013. Eles agenciam animais para tv, revistas, comerciais, programas educacionais e ambientais, eventos corporativos entre outros. Já participaram de vários programas de tv nas principais emissoras e realizam palestras de educação ambiental em escolas, parques e zoológicos. Agradeço imensamente pela entrevista para o meu site Diário de Estudos de Falcoaria, pelo apoio e confiança no meu trabalho.


Zoraide tem uma história muito interessante de mudança de vida. Ela tinha um trabalho corporativo que já não a motivava mais, e por isso resolveu aprender mais sobre a sua paixão na época: fotografar. Como amadora ela já registrava momentos especiais como festas viagens, e até mesmo datas festivas nas empresas que trabalhava. Foi no início de 2012 que sua vida começou a mudar, quando ela conheceu e se apaixonou pelo seu atual marido Wagner Ávila, que não só a fez melhorar como fotógrafa, mas também a ajudou a encontrar uma nova carreira que hoje a satisfaz plenamente. Em maio de 2013 Zoraide e Wagner abriram a sua agência Animal Legal e trabalham juntos.

“Até que no começo de 2012 conheci o Wagner Ávila, hoje meu marido, que também fotografava como amador, mas ele já era muito melhor que eu na fotografia, ele resolveu fazer cursos e mais cursos de fotografia para se profissionalizar. Eu como namorada na época sempre o apoiando e acompanhando quando podia, porque eu trabalhava em uma empresa corporativa, então só nos fins de semana eu conseguia acompanha-lo, eu adorava fazer o making of dele. Quando ele resolveu ser fotógrafo profissional fomos trabalhar com o cantor Eduardo Araújo, ele como fotógrafo oficial e eu como assistente dele , tudo o que eu aprendi foi com o Wagner, além de uns toques do meu irmão que também que é fotógrafo em Londres. Como o Eduardo além de cantor era criador de cavalos, jumentos e burros, fotografávamos os animais na fazenda dele, a partir daí é que comecei a me apaixonei por esse ramo e perceber como a minha vida profissional era chata, e decidi mudar a minha vida pessoal e profissional 100%, e até hoje temos a vida que escolhemos para nós.”


Zoraide e Eduardo Araújo

Seu primeiro contato com as aves de rapina foi em fevereiro de 2013, fato marcante e inesquecível em sua vida. Ela conheceu pessoalmente Athos, uma coruja da espécie Bubo virginianus, com uns 5 meses de idade. Até então ela não sabia da possibilidade de se comprar uma coruja legalizada, e logo em seguida eles foram conhecer a Enfalco, criatório legalizado de várias espécies de aves de rapina, entre elas as corujas tyto furcata e bubo virginianus, do proprietário Ronivon Vianna. A sua visita à Enfalco foi um divisor de água em suas vidas:

“aquele dia em dia foi uma transformação em nossas vidas, tínhamos a certeza que queríamos ter uma coruja da espécie Tyto furcata ou um Bubo virginianus, hoje estamos realizados, temos as duas espécies.”


Zoraide e Ronivon Vianna, na Enfalco

O trabalho de um fotógrafo de animais é bem complexo, pois além de exigir um bom conhecimento da profissão, é essencial conhecer pelo menos um pouco sobre a espécie a ser fotografada, como ela aprendeu com seu esposo, que treina animais há uns 30 anos. Conhecendo a espécie, fica mais fácil de prever seu comportamento e assim garantir bons cliques.

“Dependendo da foto que se quer, tem o seu grau de dificuldade ou de facilidade, depende de cada animal à ser fotografo, se eu quiser tirar a foto de um rapinante voando, tenho que configurar a minha câmera para focar a ave em uma velocidade muito rápida sem perder o foco. Se for uma ave de rapina já treinada é um pouco mais fácil porque sabemos qual o seu trajeto e onde ela irá pousar, mas a ave de vida livre tudo é inesperado e temos que ser rápidos e ágeis para registar a melhor imagem. Agora a ave parada em seu poleiro é fácil, já pousada em uma árvore, ai é preciso de uma lenta específica, mais clara e de longo alcance como por exemplo a lente 70X200, já é uma boa lente para ser fazer uma foto de longa distância. Mas em geral, tirar foto de qualquer animal desprende de atenção, rapidez para não perder o momento, saber esperar e respeitar o momento do animal e gostar de animais.”


A busca por uma foto perfeita é constante, especialmente quando é de um animal raro ou de difícil visualização. Seu registro mais difícil foi um Urutau, ave conhecida como Pai da Lua. Apesar dela ter conseguido tirar uma foto dele, ainda não foi um clique perfeito, por ter sido a noite e ele estar em cima de um poste de luz. Ainda sim ela considera como tendo sido um presente este registro, ainda mais por ter sido perto de sua casa, e por ser tão raro conseguir ver esta ave de perto.

Nem todos os momentos são de surpresa agradável, Zoráide já passou por sufocos ao fotografar animais. Seu momento mais assustador foi ao fotografar um cão do exercito que quase a atacou durante a sessão de fotos:

“Já passei por alguns apuros, como um seminário de figuração para treinamento de cães no exército, o cão tinha que atacar o figurante e eu fiquei ao lado da cena, mas o cão ao invés de ir na direção do figurante, foi em minha direção. Eu acho que ele não gostou do barulho dos clicks e eu fotografei até o último minuto quando ele já estava quase encostando na lente, e o treinador o conteve na hora certa com um comando. Mas o risco só percebi depois que a cena passou.”

Zoraide vive rodeada de muitos animais: são duas corujas (uma tyto furcata e uma bubo virginianus), cães, uma gata, galinhas, hamsters, twister e camundongos, e ainda quer aumentar a sua lista de pets.

Entre tantos animais, acredita que ser dona de coruja é algo mágico, é realmente algo especial e te faz sentir uma verdadeira mãe coruja. Ela é tão apaixonada por elas que quando houverem mais espécies disponíveis para a venda oriundas de criadores legalizados, ela quer ter uma de cada.

O meu manejo com elas é para ter uma coruja de estimação e para o nosso trabalho, por isso ela tem que ser sociável e treinada. Treinamos voos curtos e as socializamos com os nossos outros animais e com o público. Para quase todos os lugares que frequentamos na cidade de São Paulo, levamos as nossas corujas, elas são as nossas filhas.


As duas expécies de corujas que eles possuem são bem diferentes uma da outra. A tyto furcata conhecida popularmente como Coruja de Igreja, quando bem amansada e manejada é extremamente dócil, e um excelente pet. Já a coruja orelhuda (bubo virginianus) é considerada pelos especialistas como a coruja com maior aptidão para caça entre todas as demais, portanto seu manejo exige mais atenção e cuidados:

“O comportamento das duas espécies são bem parecidos, são muito tranquilas na convivência do dia-a-dia, vivem em poleiros o dia todo, dentro de casa ou no quintal. É claro que o Bubo requer mais atenção e cuidado por ser um predador topo de cadeia alimentar, é preciso ter uma convivência vigiada com os outros animais e até mesmo com outra espécie de coruja. É bom não facilitar mesmo sendo dócil e treinado, pode ter uma reação inesperada se estiver com fome ou se algum animal o irritar.”

Por isso mesmo que eles só indicam a coruja de igreja como primeira coruja, deixando a orelhuda para aqueles com mais experiência, para evitar problemas. Em ambos os casos é necessário antes muito estudo, ter todos os equipamentos já disponíveis e dar uma alimentação adequada. Com isso é possível manter em cativeiro uma coruja saudável por volta de 20 anos.


“Como primeira coruja, recomendamos sempre a Tyto furcata, mas antes de tudo, estudar muito sobre aves de rapina, de preferência fazer um curso de manejo ou falcoaria, providenciar os acessórios necessários, dar a alimentação correta e adequada para que a ave tenha uma qualidade de vida boa para que dure pelo menos os vinte anos que uma ave deve durar. A espécie Bubo virginianus recomendamos somente para pessoas que já tenham mais experiências com aves de rapina.”

Zoraide deixa bem claro a responsabilidade de se ter um animal exótico ou silvestre, e cita os passos necessários a serem seguidos antes da compra do animal.

"Na verdade as corujas que temos não são animais exóticos, é silvestres, porque são da nossa fauna brasileira. Primeiramente, antes de adquirir o animal, estudar tudo sobre o animal: alimentação, cuidados, recinto adequado, manejo, comportamento. Segundo, comprar somente em criadores legalizados pelo Ibama. Eu considero estes passos como essenciais para se ter qualquer animal silvestre ou exótico com responsabilidade."

Sempre que podem eles levam suas corujas para espaços públicos, tanto para passeios como em eventos. As reações são as mais diversas, desde admiração e euforia, até medo e choque. O mais interessante é observar pelas perguntas das pessoas como elas amam as corujas, mas ao mesmo tempo desconhecem quase tudo sobre elas. Isso só demonstra como a educação ambiental é essencial.

"Agora as perguntas, quase sempre as mesmas, e às vezes bem engraçadas, ai é que percebemos que as pessoas não conhecem nada sobre as corujas, mas as amam!!! ... “ É de verdade? É sua? É uma coruja? Ela morde? Ela não dorme de dia? O que ela come? Qual ração ela come? Ela está presa? Ela enxerga de dia? Onde você pegou ela?” Etc... Moradores de São Paulo, eles não encontram nenhuma dificuldade em levar suas corujas em espaços públicos. Até o momento ainda não encontramos lugar que não podemos levar as nossas corujas, todos os lugares somos muito bem recebidos, restaurantes, shoppings, lojas diversas, reuniões comerciais, feiras livre e de exposição, parques, mas é claro que temos o bom senso, como por exemplo, não vamos tentar entrar com uma coruja no cinema, que obviamente vamos ser barrados, mas antes o segurança vai nos pedir para tirar foto com a coruja, é claro! rsrs."

Eles estão sempre dando cursos e fazendo palestras de educação ambiental, e ela nos alerta da importância deste empenho e como ele pode transformar o nosso futuro:

"Eu acho extremamente importante e tenho a absoluta certeza que se fizesse parte da grade escolar nas escolas públicas e particulares, seria de benefícios para todos nós. A educação ambiental é a solução pra tudo e para todos os problemas que estamos enfrentando hoje em dia. Respeitando e amando o nosso planeta e os seres que nele vivem, é assim que teremos um futuro de melhor qualidade para ambos."

A legislação Brasileira para aquisição de animais exóticos e silvestres é sempre alvo de críticas dos envolvidos na área. Ela defende uma alteração nestas leis mas acima de tudo que as pessoas tenham acesso à informação para que a liberação de compra legalizada de mais espécies seja feita de forma responsável:

"Como todas as leis desse país, vejo uma legislação desatualizada e engessada. Sou totalmente a favor da legalidade de animais exóticos e silvestres, mas para isso o nosso país precisa investir em fiscalização e profissionais especializados no assunto, não adianta fiscalizar o que não entende e sem conhecer a leis a fio, senão vira bagunça. Com a legalização e controle, diminuiria as posses ilegais e inconscientes, coletas de animais na natureza que causam o desequilíbrio e extinção de algumas espécies, e como ponto positivo também abriria portas para as especializações e cursos de manejos para as várias espécies de animais, as pessoas teriam opções de preparos para adquirir o seu animal de forma correta e responsável, sem aquela sensação de que está fazendo algo ilegal, isso contribuiria e muito para o bem do animal adquirido e para a fauna em geral."

Zoraide e Wagner tem vários projetos para o futuro, mas só gostam de divulgar quando já foram realizados. Ainda sim ela nos adianta que no momento estão trabalhando para montar o seu estúdio fotográfico.

Com muita simpatia e carisma, Zoraide é um exemplo de transformação, de uma mulher batalhadora que não tem medo de sonhar e de ir em busca dos seus sonhos. Que não teve medo de amar e mudar sua vida graças a este amor, cuja paixão pelos animais transformou sua vida sem graça em uma vida plena de alegria e realizações. Desejo ao casal cada vez mais sucesso, que vocês voem cada vez mais alto e realizem seus sonhos. Obrigada pela amizade e apoio ao meu site!

Interview with Zoraide Braz


Zoraide is a photographer and owner, along with her husband Wagner Avila, of the agency Animal Legal, founded in May 2013. They train animals for TV, magazines, advertisement, educational programs and environmental projects, corporate events and much more. They have participated in several TV shows in the main tv stations and conduct environmental education lectures in schools, parks and zoos. I greatly appreciate the interview for my site Falconry Studies Journal, and for their support and confidence in my work.

Zoraide has a very interesting history of changing life. She had a corporative work that no longer motivated her, so she decided to learn more about her passion at that time: photography. As an amateur she has recorded special moments such as trips, parties, and even festive dates on companies that she had worked. It was in early 2012 that her life began to change, when she met and fell in love with her current husband Wagner Avila, who not only helped her improve as a photographer, but also helped her find a new career that today fulfils her nowadays. In May 2013 Zoraide and Wagner opened their animal agency and now work together.


"In the beginning of 2012 I met Wagner Avila, now my husband, who also photographed as an amateur, but he was already much better than me in shooting, and he decided to take courses and more photography courses to professionalize himself. I was his girlfriend at that time, and I was always supporting and watching him when I could, because I worked in a corporate company, then only on weekends I could go with him, I loved doing his making of. When he decided to become a professional photographer he started working for the singer Eduardo Araújo as his official photographer and I was his assistant, all that I learned was with Wagner, as well as with some tips of my brother who is also a photographer in London. Eduardo was a singer and also a breeder of horses, asses and donkeys , so we also photographed the animals at his farm, from there that I began to fell in love with this area and noticed how my professional life was boring, and decided to change my personal and professional life 100%, and today we have the life we ​​choose for us."

Her first contact with the birds of prey was in February 2013, a striking and memorable event in her life. She personally met Athos, an owl Bubo virginianus, about 5 months old. Even then she didn´t know of the possibility of buying a legalized owl, and soon after they visited Enfalco, a legalized breeding center in Brazil of various species of birds of prey, including the owls tyto furcata and Bubo virginianus, and met its owner Ronivon Vianna. Their visit to Enfalco was a watershed in their lives:

"That day in day was a transformation in our lives, we were sure that we wanted to have an owl Tyto furcata or a Bubo virginianus, today we fell fulfilled, as we have the two species."

The work of an animal photographer is very complex, since it requires a good knowledge of the profession and also it´s essential to know at least a little about the species to be photographed, as she learned from her husband, who has trained animals for about 30 years. Knowing the species, it becomes easier to predict its behavior and thus ensure good clicks.


"Depending of the picture you what, there is a degree of difficulty or easiness that is according to each animal to be photographed, if I want to take a picture of a flying predator, I have to set my camera to focus on the bird at a speed very fast without losing focus. If it´s an already trained bird of prey it´s a little easier, because we know its trajectory and where it will land, but with wild birds everything is unexpected and we have to be fast and agile for recording the best image. A bird on its perch is easy, but perched on a tree demands a specific lens, brighter and far-reaching such as the lens 70x200, it's a good lens for making a long-distance picture. But in general, taking a picture of any animal detaches attention, quickness not to lose the moment, being patient to wait and respect the moment of the animal and of course like animals."

The search for a perfect picture is constant, especially when it is of a rare animal or difficult to see. Her most difficult record was a Potoos (family Nyctibiidae). Although she could take a picture of it, it wasn´t a perfect click, because it was during the night and he was on the top of a light pole. Still she considers to have been a gift this record, even more because it was near her home, and because it is so rare to see this bird so near.

Not all surprises are nice, and Zoraide has had some troubles while photographing animals. Her scariest moment was while photographing an army dog ​​ that almost attacked her during the photo shoot:

"I've been through some trouble, as during a figuration seminar for training dogs in the army, the dog had to attack the helper and I was next to the scene, but the dog instead of going toward the helper, went on my way.I guess he didn´t like the sound of clicks and I photographed until the last minute, when he was almost touching the lens, and the coach held him back at the right time with a command. But the risk I had only realized after the situation finished."

Zoraide lives surrounded by many animals: two owls (one tyto furcata and a Bubo virginianus), dogs, a cat, chickens, hamsters, mice and twister, and she still wants to increase her pet list.

Among many animals, she believes that being an owl owner is something magical, it´s really something special and makes you feel a real doting mother. She is totally in love with them, and when there are more species available for sale from legalized breeders, she wants to have one of each owl specie possible.

My management with them is to have a pet owl and for our work, so it has to be sociable and trained. We train short flights and socialize with our other animals and with the public. For almost everywhere we go in the city of São Paulo we take our owls, they are our daughters.

The two species of owls they possess are quite different from each other. The furcata tyto popularly known as barn owl, when well tamed and managed is extremely docile, and an excellent pet. On the other hand, a great horned owl (Bubo virginianus) is considered by experts as the owl with greater aptitude for hunting among all the others, so its management requires more attention and care:

"The behavior of the two species are very similar, they are very quiet in living day-to-day, stay on perches all day, indoors or in the backyard. Of course that the great horned owl requires more attention and care as it´s a predator in top of the food chain, so you must have a guarded coexistence with other animals and even with other species of owl. It is better always paying attention to it, even being docile and trained, you may have an unexpected reaction if it´s hungry or if some animal annoys it. "

That´s the reason why they only recommend a barn owl as the first owl, leaving the great horned owl for those with more experience to avoid problems. In both cases it´s necessary to study a lot, have all equipment and provide adequate food before buying it. It is possible to maintain a healthy captive owl for around 20 years.

"As the first owl, we always recommend a Tyto furcata, but first of all, to study a lot about birds of prey, preferably take a management course or falconry course, provide the necessary accessories, give the correct food so that the bird will have a good quality of life to last at least twenty years, the common life expectancy of a raptor. The species Bubo virginianus is recommended only for people who already have more experience with birds of prey."


Zoraide calls the attention to the responsibility of having an exotic or wild animal, and cites the necessary steps to be followed before the purchase of the animal.

In fact the owls we have are not exotic animals, they´re wild because they are from our Brazilian fauna. First, before acquiring the animal, study everything about the animal: feeding, care, adequate enclosure, management, behavior. Second, only buy from legalized breeders by Ibama. I consider these steps essential to someone who wants to have any wild or exotic animal with responsibility.

Whenever they can they take their owls to public spaces for both rides and events. The reactions are the most diverse, from admiration and euphoria to fear and shock. The most interesting is to observe by the questions of the people that they love owls, but at the same time ignore almost everything about them. This only demonstrates how environmental education is essential.

Now the questions, almost always the same, and very funny sometimes, and that´s when we notice that people don´t know anything about owls, even though they love them !!! ... "It is true? Is it yours? Is it an owl? Does She bite? Doesn´t she sleep during the day? What does she eat? She's stuck? Does she see during the day? Where did you get it? "Etc ...

Residents of Sao Paulo, they find no difficulty in taking their owls to public spaces.

So far we haven´t not found yet a place where we can´t take our owls, everywhere we are very well received: restaurants, malls, shops, business meetings, fairs and exhibition parks, but of course we have good sense, for example, we won´t try to enter an owl in the cinema, we will obviously be stopped, but before the security guard will ask us to take a picture with the owl, of course! lol.

They are always giving courses and lectures on environmental education, and she reminds us of the importance of this commitment and how it can transform our future:

I find extremely important and I am absolutely sure that if it was part of the school grade in public and private schools, it would benefit us all. Environmental education is the solution for everything and for all the problems we are facing today. Respecting and loving our planet and the beings that live in it, this is the way that we will have a future of better quality for both.

The Brazilian legislation for the acquisition of exotic and wild animals is always criticized by those involved in the area. She advocates a change in these laws but above all that people have access to information, so that the release of legalized buying of more species will be done in a responsible manner:

"Like all laws of this country, I see an outdated legislation. I am totally in favor of the legality of buying exotic and wild animals, but for that our country needs to invest in surveillance and professionals specialized in the subject, it doesn’t solve the problem if you control without knowing about these animals, otherwise it´s a mess. With legalization and control, it would decrease the illegal and unconscious possessions, animals trapped in nature that cause the imbalance and extinction of some species, and asa positive thing it would also open doors for specialization and management courses about the various species of animals. People would have preparation options to acquire their animal in a proper and responsible way, without that feeling that you are doing something illegal, it would contribute a lot for the welfare of purchased animals and to general fauna."

Zoraide and Wagner have several projects for the future, but only like to talk about them since they have already started them. But she tells us that in the moment they are working to set up their photographic studio.

With much sympathy and charisma, Zoraide is an example of transformation, of a struggling woman who is not afraid to dream and go after her dreams. Who wasn´t afraid to love and change her life thanks to this love, whose passion for animals has transformed her life without grace into a life full of joy and achievements. I wish the couple an increasingly success, that you can make your dreams come true. Thank you for the friendship and support to my site, and that our partnership grows.

Entrevista Zoraide Braz


Zoraide es fotógrafa y propietaria, junto con su marido Wagner Ávila, de la Agencia Animal Legal, fundada en mayo de 2013. Ellos entrenan animales para programas en la televisión, revistas, publicidad, proyectos educativos y ambientales, eventos corporativos y mucho más. Han participado en varios programas de televisión y llevan a cabo charlas de educación ambiental en escuelas, parques y zoológicos. Agradezco enormemente la entrevista para mi sitio Diario de estudios de Cetrería, por su apoyo y confianza en mi trabajo.

Zoraide tiene una historia muy interesante de cambio de vida. Ella tenía un empleo corporativo que ya no la motivaba más, y así decidió aprender más acerca de su pasión en aquel momento: fotografía. Como una aficionada, ya sacaba fotos de momentos especiales como fiestas de viaje, e incluso de las fechas festivas en las empresas que trabajó. Fue a principios de 2012 que su vida comenzó a cambiar cuando conoció y se enamoró de su actual marido Wagner Ávila, que no sólo la hizo mejorar como fotógrafa, sino que también la ayudó a encontrar una nueva carrera que hoy la agrada plenamente. En mayo de 2013 Zoraide y Wagner abrieron su agencia Animal Legal.

"A principios del 2012 conocí Wagner Ávila, ahora mi marido, que también fotografiaba como aficionado, pero ya era mucho mejor que yo en la foto, y él decidió hacer cursos y más cursos de profesionalización de fotografía. Yo era su novia en aquél tiempo, y siempre lo apoyaba y lo observaba cuando podía, porque todavía trabajaba en una empresa corporativa, entonces sólo en los fines de semana es que lo podía acompañar, me encantaba hacer el making of de él. Cuando él decidió convertirse en un fotógrafo profesional empezó a trabajar con el cantante Eduardo Araújo, como su fotógrafo oficial y yo como su asistente, todo lo que aprendí fue con Wagner, así como algunos detalles que mi hermano que también es un fotógrafo en Londres me enseñó. Como Eduardo además de cantante era creador de caballos, asnos y burros , fotografiábamos los animales en su granja, fue a partir de ahí que empecé a enamorarme de este trabajo y a percibir como mi vida profesional era aburrida, y decidí cambiar mi vida personal y profesional 100%, y hoy tenemos la vida que elegimos para nosotros."

Su primer contacto con las aves de presa fue en febrero de 2013, hecho importante y memorable en su vida. Ella conocío personalmente Athos, un buhó de la especie Bubo virginianus, con unos 5 meses de edad. Incluso hasta entonces no sabía de la posibilidad de comprar un búho legalizado, y luego después fueron conocer Enfalco, el centro de cría legalizado de varias especies de aves rapaces, incluyendo las lechuzas tyto furcata y los búhos Bubo virginianus, del proprietário Ronivon Vianna. Su visita a Enfalco fue un punto de inflexión en sus vidas:

"Aquel día fue una transformación en nuestras vidas, estábamos seguros de que queríamos tener una lechuza Tyto furcata o una Bubo virginianus, hoy estamos realizados, tenemos las dos especies."

El trabajo de un fotógrafo de animales es muy complejo, así como requiere un buen conocimiento de la profesión, es esencial saber al menos un poco sobre las especies a ser fotografiadas, como aprendió con su marido, quien entrena animales hace unos 30 años. Cuando se conoce las especies resulta más fácil predecir su comportamiento y por lo tanto garantizar buenos clics.

"Dependiendo de la foto que se desea, hay un grado de dificultad o facilidad, depende de cada animal para ser fotografiado, si quiero tomar una imagen de una rapaz volando, tengo que configurar mi cámara para centrarse en el ave a una velocidad muy rápida sin perder el foco. Si es un ave de presa entrenada ya es un poco más fácil, porque sabemos su trayectoria y donde aterrizará, pero aves de vida libre son inesperadas y tenemos que ser rápidos y ágiles para registrar la mejor imagen. Ahora sacar una foto de una rapaz en su percha es fácil, ya si está en un árbol existe la necesidad de una lente específica, más ligera y de gran alcance, tales como el lente de 70x200, que es una buena lente para hacer una foto de larga distancia. Pero, en general, sacar una foto de cualquier animal, exige atención, velocidad para no perder el momento, esperar y respetar el momento del animal y le gustar los animales ".

La búsqueda por la imagen perfecta es constante, sobre todo cuando se trata de un animal raro o difícil de verlo. Su foto más difícil fue de un pájaro conocido como Urutau (Nyctibius). Aunque capaz de tomar una foto de él, no ha sido una foto perfecta, porque era de noche y él estaba en la parte superior de un poste de luz. Todavía ella considera que ha sido un regalo esta foto, aún más, ya que estaba cerca de su casa, y porque es tan raro ver esta especie de pájaro.

Ni todas las sorpresas so agradables, Zoraide ha pasado por momentos complicados al fotografiar animales. Su momento más peligroso fue cuando ella fotografiaba un perro del ejército que casi la atacó durante la sesión de fotos:

"He pasado por algunos problemas, como en un seminario de figuración para el entrenamiento de los perros en ejército. El perro tenía que atacar el ayudante y yo estaba al lado de la escena, pero el perro en lugar de ir hacia el ayudante, fue hacia mí. Creo que no le gustó el sonido de los clics y fotografié hasta el último minuto, cuando el perro casi tocó la lente, y el entrenador lo detuvo en el momento adecuado con un comando. Pero el riesgo sólo me di cuenta cuando terminó todo".

Zoraide vive rodeada de muchos animales: son dos lechuzas (una Tyto furcata y una Bubo virginianus), perros, un gato, pollos, ratones y hámsters, twisters, y todavía quieren aumentar su lista de animales domésticos.

Entre tantos animales, ella cree que ser dueña de una lechuza es algo mágico, realmente especial. Ella es tan apasionada por ellas que cuando hayan más especies disponibles para la venta en los centros de cría autorizados, ella quiere tener una de cada.


"Mi manejo con ellas es para tener un búho como mascota y para nuestro trabajo, por lo que tiene que ser sociable y entrenado. Entrenamos los vuelos al puño y socializamos con los otros animales y el público. Para casi todas partes que vamos en la ciudad de Sao Paulo, llevamos a nuestras lechuzas, son nuestras hijas."

Las dos especies de lechuzas que ellos poseen son bastante diferentes unas de las otras. La lechuza Tyto furcata popularmente conocida como lechuza de los campanarios, cuando está bien domesticada y manejada es muy dócil, y una excelente mascota. Ya é búho cornudo (Bubo virginianus) es considerado por los expertos como el búho con mayor aptitud para la caza entre todos los demás, por lo que su manejo requiere más atención y cuidado:

"El comportamiento de las dos especies son muy similares, son muy tranquila para vivir el día a día, viven en las perchas todo el día, en el interior o en el patio trasero. Es evidente que la Bubo requiere más atención y cuidado ya que es un depredador en la parte superior de la cadena alimentaria, que debe tener una convivencia vigilada con otros animales e incluso con otras especies de búho. Es bueno no facilitar aun siendo dócil y entrenada, es posible que tenga una reacción inesperada si tiene hambre o si algún animal la molesta".

Por eso mismo que ellos sólo indican la lechuza de iglesia como el primer búho, dejando la cornuda para los que tienen más experiencia, para evitar problemas. En ambos casos es necesario antes de mucho estudio, tener todos los equipos ya disponibles y proporcionar una alimentación adecuada. Es posible mantener un ave cautiva por alrededor de 20 años.

"Como el primer búho, siempre recomendamos la Tyto furcata, pero en primer lugar, estudiar mucho acerca de las aves de presa, preferiblemente hacer un curso de gestión o de cetrería, proporcionar los accesorios necesarios para la nutrición correcta y adecuada para que el ave tenga una buena calidad de vida y que dure por lo menos veinte años que un ave debe durar. La especie Bubo virginianus la recomendamos sólo para personas que ya tienen más experiencia con aves de presa ".


Zoraida deja claro la responsabilidad de tener un animal exótico o salvaje, y cita los pasos necesarios a seguir antes de la compra del animal.

"De hecho, los búhos no son animales exóticos, son salvajes, ya que son de nuestra fauna brasileña. En primer lugar, antes de adquirir el animal estudie todo relacionado con él: la alimentación, el cuidado, el recinto adecuado, el manejo, el comportamiento. En segundo lugar, compre sólo de los creadores legalizados por el Ibama. Creo que estas son las medidas necesarias para tener con responsabilidad cualquier animal salvaje o exótico."

Siempre que es posible ellos llevan sus búhos a los espacios públicos para excursiones y eventos. Las reacciones son las más diversas, desde la admiración y la euforia al miedo y shock. Lo más interesante es observar a las preguntas de la gente que dicen que aman a los búhos, pero que al mismo tiempo ignoran casi todo sobre ellos. Esto sólo demuestra cómo la educación ambiental es esencial.

"Ahora las preguntas, casi siempre son las mismas, y es muy divertido que a veces no nos damos cuenta de que la gente no sabe nada acerca de los búhos, pero las aman: "Es verdad? ¿Y suya? Es un búho? Se muerde? Ella no duerme durante el día? ¿Qué come? ¿Qué alimentos que come? Ella está atrapada? Ella ve durante el día? ¿De dónde la has sacado?, etc ..."

Ellos viven en Sao Paulo, y hasta hoy no encontramos ninguna dificultad en llevar los búhos en los espacios públicos.

"Hasta ahora no hemos encontrado un sitio donde no podemos llevar a nuestros búhos, en todas partes somos muy bien recibidos: restaurantes, centros comerciales, tiendas, reuniones de negocios, ferias, parques, exposiciones y, por supuesto, pero sabemos los límites, por ejemplo, no vamos a tratar de entrar con una lechuza en el cine, es evidente que no nos dejarán entrar, pero antes el guarda de seguridad nos pedirá para sacar una foto con la lechuza, por supuesto! lol."

Ellos siempre están dando cursos y conferencias sobre educación ambiental, y ella nos recuerda la importancia de este compromiso y cómo él puede transformar nuestro futuro:

"Me parece muy importante y estoy absolutamente segura de que si fuera parte de la calificación de la escuela en las escuelas públicas y privadas, que beneficiaría a todos. La educación ambiental es la solución para todo y para todos los problemas que enfrentamos hoy en día. Respetar y amar a nuestro planeta y a los seres que viven en él, es así que tendremos un futuro de mejor calidad para todos."

La legislación brasileña para la adquisición de animales exóticos y salvajes es siempre criticada por los expertos. Ella defiende un cambio en las leyes pero especialmente que todas las personas tengan acceso a la información de manera que la liberación de la compra de más especies legalizadas se haga de manera responsable:

Como todas las leyes de ese país, veo una legislación anticuada y vieja. Estoy totalmente a favor de la legalidad de animales exóticos y salvajes, pero para eso nuestro país necesita invertir en la vigilancia y en profesionales especializados en el tema, no hace sentido fiscalizar algo que no si conoce y sin conocer bien a las layes, sino todo si convierte en un desastre. Con la legalización y control, se disminuiría las posesiones ilegales e inconscientes, sacar animales de la naturaleza que causa el desequilibrio y la extinción de algunas especies, y lo positivo que también abriría las puertas para especializaciones y cursos de manejo para diversas especies de animales, la gente tendría opciones de preparativos para adquirir su animal de manera correcta y adecuada, sin esa sensación de que se está haciendo algo ilegal, eso contribuiría, y mucho para el bien de los animales comprados y para la fauna en general.

Zoraida y Wagner tienen varios proyectos para el futuro, pero sólo les gusta revelar después. Todavía nos dicen que en este momento están trabajando para establecer su estudio fotográfico.

Con mucha simpatía y carisma, Zoraide es un ejemplo de transformación de una mujer que lucha, que no tiene miedo de soñar e ir en busca de sus sueños. Que no tuvo miedo de amar y cambiar su vida gracias a este amor, cuya pasión por los animales ha transformado su vida sin gracia en una vida llena de alegría y logros. Deseo que la pareja tenga cada vez más éxito, y que realicen sus sueños. Gracias por la amistad y el apoyo a mi sitio.


Contato:

Animal Legal

https://www.facebook.com/agenciaanimallegal/?fref=ts

http://animallegalagencia.wix.com/animal

https://www.instagram.com/animallegal

#interviewentrevista #tytofurcata

Kátia Boroni é jornalista, e escreve sobre Falcoaria, aves de rapina e

Educação ambiental para os sites Diário de Falcoaria e Corujando por aí. 

 

Kátia Boroni is a journalist, and writes about Falconry, birds of prey and environmental education for the websites Diário de Falcoaria and Corujando por aí.

Webmaster: Kátia Boroni 2015

 MTB: 002.0435/MG