• Kátia Boroni

Bate Papo Vet - Marcos Vinícius

Atualizado: 18 de Jun de 2019



* Please scroll down for English version

* desplaza hacia abajo para version en español

Marcos Vinícius de Souza é um veterinário especializado em silvestres e proprietário da clínica veterinária VETFAUNA Especialidades veterinária, em Sarzedo (Grande BH – Minas Gerais), uma empresa voltada ao atendimento especializado a Animais de Companhia, Animais Selvagens e Pets Exóticos. Sua clínica possui um corpo clínico composto por profissionais altamente qualificados e toda a sua estrutura e equipamentos são os mais sofisticados dentro do mercado veterinário. Os proprietários de aves de rapina de Belo Horizonte e região sabem que sempre que necessário poderão contar com sua clínica que sabe como cuidar de rapinantes. Além disso, Marcos também tem uma ONG que resgata e cuida de animais selvagens, e está sempre auxiliando os órgãos ambientais na reabilitação de várias espécies, inclusive rapinantes.

Entrevista Com Marcos Vinícius de Souza


Desde tenra idade ele já dizia a toda a sua família que queria ser médico veterinário, sem nunca duvidar de sua vocação. Profissão esta que acredita transcender outras vidas, já que a exerce no seu dia a dia com muita naturalidade.

Ao ingressar na universidade era um praticante assíduo do hipismo clássico, e seu foco era se dedicar na área de equinos. Porém os animais selvagens o escolheram, e não o contrário. Ao longo da sua graduação ele foi se envolvendo neste nicho de mercado e desde então se dedicou aos silvestres e exóticos.

Sua clínica Vetfauna localizada na cidade de Sarzedo, grande BH, é a referência para o tratamento de aves de rapina, e dos demais animais silvestres e exóticos. Sua infraestrutura é incrível, ela foi toda construída para um manejo correto destes animais, inclusive de grandes felinos.


“A VETFAUNA Especialidades Veterinária foi fundada dentro dos moldes no qual trabalhamos hoje em Março de 2015. Uma clínica em tenra idade más com uma atuação profissional de seu proprietário a mais de 10 anos e com uma abrangência em nível nacional. Oferecemos hoje um corpo clínico altamente qualificado, sendo o mesmo formado por uma equipe técnica permanente e por Médicos Veterinários colaboradores em suas referidas áreas de especialidades. Instalações voltadas ao manejo de animais selvagens de acordo com as necessidades biológicas da espécie. E toda a tecnologia disponível no mercado nacional para auxiliar na precisão dos diagnósticos e prognósticos."

Marcos ainda participa do grupo Vet’s Resgates, um Grupo formado por Médicos Veterinários especializados em resgates pós-catástrofes natural ou acidental, onde todos os membros tem vasta experiência em trabalhos de campo nas mais diversas condições ambientais e climáticas. Ele nos conta como surgiu o grupo:

“A ideia da criação deste grupo surgiu após a minha atuação como Médico Veterinário na catástrofe ambiental ocasionada pela Mineradora Samarco. Eu e outros colegas Médicos Veterinários estamos em Mariana – MG desde o Cinco de Novembro data em que ocorreu a tragédia, eu particularmente cheguei à cidade no dia 9 de Novembro. Estou a quase 90 dias atuando como Médico Veterinário neste que é o maior desastre ambiental do mundo. Como a área de Medicina Veterinária de Desastres/Catástrofes é nova no mundo e incipiente no Brasil a decisão em se formar um grupo de veterinários especializados neste tipo de evento se tornou uma prioridade. Visto que vivemos em um país tropical e também minerário e que permite este e outros tipos de eventos naturais ou antrópicos.”

Marcos ainda tem uma ONG chamada Selvagens sem fronteiras, que resgata, trata e reabilita diversas espécies de animais silvestres. Sua ONG foi fundada há mais de 10 anos e atua na área veterinária em todo o território nacional, e está envolvida em projetos importantíssimos de conservação ex-situ e in-situ:

“Além dos atendimentos clínicos, cirúrgicos e odontológicos prestados nos criatórios/criadouros e zoos, a ONG atua também na pesquisa de campo no que tange a preservação de espécies ameaçadas de extinção, trabalhando em prol da Biologia e Medicina da Conservação. O projeto atual de conservação ex-situ está focado no tratamento e reabilitação das aves de rapinas que são destinadas a alguns centros de pesquisas ou enviados diretamente a VETFAUNA Especialidades Veterinárias. E os de conservação in-situ inclui o “Levantamento Eco epidemiológico da jararaca-ilhoa (Bothrops insularis) na Ilha da Queimada Grande (Ilha das cobras) no litoral sul de São Paulo (Itanhaém – SP) a 32 km do continente; outro projeto que já está no forno é em relação à preservação das ariranhas (Pteronura brasiliensis) na região de Goiás e Mato Grosso.”

Trabalhar com o resgate de animais selvagens é sempre um desafio, e ao longo de tantos anos de trabalho, Marcos já se viu envolvido em situações complicadas. O resgate mais difícil que ele fez foi de um cachorro do mato (Cerdocyon thous) que sofreu uma queda em uma fossa não ativa. Foi necessária a ajuda do corpo de Bombeiros Militar para auxiliar na descida até o animal. O mais interessante é que o cachorro-do-mato não sofreu nenhum tipo de lesão e imediatamente retornou à liberdade.

Sobre o mercado de pets exóticos no Brasil, Marcos acredita que estamos muito atrasados e precisamos logo mudar esta realidade alarmante. Segundo ele somos o único país no mundo sem um comércio ativo em relação à fauna nativa ou exótica, propiciando o mercado ilegal destes animais. Mudanças são necessárias e ele é totalmente a favor da liberação de venda legalizada destes animais.

"O mercado de pets exóticos é incipiente e na sua grande maioria inexistente, visto que grande parte dos animais comercializados são frutos de uma comercialização ilegal. Vivemos em um país onde os organismos ou órgãos responsáveis por esta e outras questões ligadas à fauna são ainda muito amadores. Fica claro em relação ao comércio de animais selvagens ou pets exóticos quando o nosso país não segue ou não cumpre a Convenção CITES. Sendo que esta convenção regula todo o assunto ligado à comercialização das espécies nativas ou exóticas e em risco ou não de extinção. Sou a favor da liberação 100% de qualquer espécie nativa ou exótica para a venda. É desta forma que é feita em todo o restante do mundo. O que nós falta é seriedade e vontade, e me refiro aos órgãos ambientais, para que tal atividade se torne legal em nosso país. "

Marcos acredita ser difícil definir o perfil dos donos de pets exóticos/silvestres no Brasil, já que é um grupo muito heterogêneo. Porém os maiores problemas dos proprietários se dividem em ou não conhecer bem a espécie que cria, ou achar que conhece tudo sobre ela sendo que na verdade apenas domina o seu treinamento e não a sua biologia. Em ambos os casos o manejo inadequado pode ser fatal para o animal.

"Na sua grande maioria são pessoas não ligadas profissionalmente à área biológica ou médica e que tem uma atração ou hobby por estes animais. Uma maioria esmagadora, ou melhor, 99,99% acham que conhecem a espécie no qual estão criando e que dominam o manejo deste animal. Sendo que a rotina clínica nós mostra o contrário desta realidade. E o fator agravante neste aspecto é que no Brasil existem vários “proprietários” que se auto intitulam conhecedores daquela dada espécie ou grupo taxonômico. Acham que dominar a técnica do treinamento de animais os qualificam para dizer sobre a biologia e a medicina daquela ou das demais espécies. "

Um apreciador da Falcoaria, Marcos infelizmente não tem tempo livre suficiente para manipular diariamente e treinar uma ave de rapina, devido ao seu trabalho como veterinário.


Mesmo com avanços, sua visão da Falcoaria Brasileira é negativa, e ele acompanha a sua evolução com desconfiança e pessimismo.

"Avalio a expansão da falcoaria no Brasil como relevante na complementação de uma arte milenar e mundial. O que me espanta no Brasil é o nível de amadorismo em relação à falcoaria. Aliás, o amadorismo está intrincado em nossa cultura. Creio que o Brasil não terá ao longo de anos nenhuma representatividade de fato na falcoaria mundial. "

Marcos acredita que qualquer pessoa tem o direito de ter uma ave de rapina, desde que saiba como cuidar da espécie. Ele não acredita que estas aves deveriam ser adquiridas apenas por falcoeiros que trabalham com o controle de fauna.

"Mais uma vez justificamos o nosso amadorismo e comprovamos a busca pela reserva de mercado de uma área que é livre em todo o restante do globo terrestre. O direito de ter uma ave X ou Y é de quem o adquire. Independente da finalidade, ou seja, o mesmo poder ser criado ou manejado como pet ou treinado para caçar. "

Quando perguntado sobre sua posição em relação à legalização da caça com rapinantes, ele é a favor, porém com controle e regulamentação:

"Se sou a favor da caça com rapinantes? Sim e Não! Sim se a mesma for regulamentada e praticada em fazendas de caça. E não se for da forma que é feita atualmente, na ilegalidade."

Sob o ponto de vista clínico, considerando que ele atende a maioria das aves de rapina de Bh e região, ele salienta que os maiores problemas encontrados nas aves de rapina são causados por manejo inadequado e alimentação incorreta, o que demonstra uma falta de preparo de seus proprietários.

"As alterações mais comuns, e vale ressaltar que a mesma está presente na maioria das aves rapinantes e não rapinantes, estão ligadas as doenças de cunho nutricional e de manejo. Uma grande maioria esmagadora de donos de aves de rapinas não sabe manejar as suas aves no que tange a profilaxia e nutrição. "

A prevenção é a única forma de manter a saúde e longevidade de uma ave, segundo ele. Por isso ele aconselha a todos os novos proprietários de uma ave de rapina a levarem suas aves a um Médico Veterinário Especialista em Animais Selvagens.

As corujas são um capítulo à parte, cada vez mais populares como animais de estimação exóticos, a demanda é muito superior à oferta. Por conta deste desequilíbrio, muitas vezes há que se esperar anos nas listas de espera dos criadores legalizados. Marcos vê esta situação como vexatória e amadora:

"Enquanto não existir seriedade em nosso país em termos de venda legalizada de animais selvagens e pets exóticos esta situação perdurará. Precisamos ampliar o número de criatórios/criadouros legalizados para reverter este problema. Sim, as corujas são aves que encantam pelo seu enigma de ser uma ave noturna. E a sua variedade de tamanhos e cores criam um fascínio ao ser humano e este encanto cria uma demanda de mercado para estas aves. "

Marcos tem uma trajetória de sucesso e um histórico acadêmico invejável. Sua clínica é o destino para a prevenção e para o tratamento de rapinantes entre outras espécies exóticas e silvestres, além das domésticas. Sua equipe é muito competente e pronta para nos atender e cuidar bem de nossas aves de rapina. Mesmo com tanto trabalho ele ainda encontra tempo para ajudar tanto no grupo Vet resgates quanto na sua ONG Selvagens sem Fronteiras. Desejo a ele cada vez mais sucesso e agradeço pela entrevista. Continue fazendo a diferença!

Interview with

Marcos Vinícius de Souza


Marcos Vinicius de Souza is a veterinarian specialized in wild animals and owner of the veterinary clinic VETFAUNA in Sarzedo (Near Belo Horizonte - Minas Gerais - Brazil), a company dedicated to providing specialized services for Companion Animals, Wildlife and exotic Pets. His clinic has a medical staff that consists of highly qualified professionals and its entire structure and equipment are the most sophisticated in the veterinary market. The owners of birds of prey of Belo Horizonte and region know that when necessary they can count on his clinic who knows how to take care of raptors. In addition, Mark also has an NGO that rescues and cares of wildlife, and is always helping environmental agencies in the rehabilitation of several species, including raptors.

Since an early age he has told all his family he wanted to be a veterinarian, and he has never doubted his vocation. He believes that his profession transcends other lives, as he exercises it in his daily life , in a very natural way.

When he joined university he was an assiduous practitioner of classical equestrianism, and his focus was to engage in the horse area. But wild animals have chosen him, and not the contrary. Throughout his graduation he got involved in this niche market and he has since devoted himself to wild and exotic animals.

His clinic Vet Fauna located in Sarzedo, near BH is the reference for the treatment of birds of prey and other wild and exotic animals. Its infrastructure is amazing; it was all built for a correct management of these animals, including big cats.

"VETFAUNA Veterinary Specialties was founded in the molds in which we work today in March 2015. A clinic at an early age but with a professional practice of its owner of more than 10 years and with a scope at the national level. We offer today a highly qualified medical staff, the same being formed by a permanent technical team and by Veterinarians collaborating in their specialties´ areas. The facilities were developed to the management of wildlife, according to the biological needs of the species. And all the technology available in the national market to support the accuracy of diagnoses and prognoses.”

Marcos participates in the Vet's group called Vet´s Resgate (Rescue Vets), a group formed by veterinarians specialized in natural or accidental post-disaster rescue, where all members have extensive experience in field work in various environmental and climatic conditions. He tells us how the group came up:

“The idea of creating this group came after my work as a veterinarian in the environmental disaster caused by the mining company Samarco. Me and other Veterinarians colleagues are in Mariana - MG since 5th, November, date on which the tragedy happened, I particularly came to the city on 9th, November. I am almost 90 days working as a veterinarian in which is the largest environmental disaster in the world. As the area of Veterinary Medicine in Disasters is new in the world and incipient in Brazil, the decision of creating a group of specialized veterinarians in this type of event has become a priority, since we live in a tropical country with mining, which allows this and other types of natural or man-made events.”

Mark also has an NGO called “Selvagens sem fronteiras” Wild without borders, that rescues, treats and rehabilitates several species of wild animals. His NGO was founded more than 10 years ago and acts in the veterinary field throughout the country, and is involved in very important projects of conservation ex-situ and in-situ:

"The NGO "Selvagens Sem Fronteiras" (Wildlife Without Borders) was founded more than 10 years ago. The same has been providing services in the veterinary field throughout the country. In addition to clinical, surgical and dental care provided in and zoos, the NGO also operates in the field of research regarding the preservation of endangered species. Working with Biology and Conservation Medicine. The current project of ex-situ conservation is focused on the treatment and rehabilitation of birds of prey that are aimed at some research centers or directly sent to VETFAUNA Veterinary Specialties. And the in-situ conservation includes the " Eco Bothrops insularis (Bothrops insularis) in Queimada Grande Island (Ilha das cobras) on the south coast of São Paulo (Itanhaem - SP) 32 km from the continent; another project that is going to start is for the preservation of the giant otter (Pteronura brasiliensis) in the region of Goiás and Mato Grosso.”

Working with the rescue of wild animals is always a challenge, and over many years of work, Mark has been involved in many complicated situations. The most difficult rescue he did was of a crab-eating fox (Cerdocyon thous) that had fallen into a non-active pit. It was necessary the felp of fire fighters to assist in the descent to the animal. The most interesting is that the crab-eating fox didn´t suffer any damage and was immediately returned to freedom.

About the market of exotic pets in Brazil, Marcos believes that we are far behind and we need to change fast this alarming reality. According to him we are the only country in the world without an active trade in relation to native or exotic wildlife, providing the illegal market for these animals. Changes are needed and he´s totally in favor of the release of the legalized sale of these animals.

"The market for exotic pets is weak and mostly non-existent, as most animals sold are fruits of an illegal trade. We live in a country where the bodies or agencies responsible for this and other issues related to fauna are still very amateurs. it is clear in relation to wildlife trade or pet exotic's when our country does not follow or does not comply with CITES. Since this Convention regulates the whole matter on the marketing of native or exotic species and endangered or not endangered . I am for the release 100% of any native or exotic species for sale. this is how it is done in the rest of the world. what we lack is serious and will, and I refer to environmental agencies so that such activity becomes legal in our country. "

Marcos believes it´s difficult to define the profile of exotic / wild pet owners in Brazil, since it´s a very heterogeneous group. But the biggest problems of their owners is that or they don´t know well the species he has, or he thinks he knows everything about it, just because he knows about training. In both cases the inadequate handling can be fatal to the animal.

"The vast majority are people not professionally linked to the biological or medical field and has an attraction or hobby for these animals. An overwhelming majority, or rather, 99.99% think they know about the species in which they are raising and that they master the management of this anima, although clinical routine shows us it´s the opposite of this reality. And the aggravating factor in this respect is that in Brazil there are several "owners" who call themselves connoisseurs of certain species or taxonomic groups. They think that mastering the technique of training animals qualify them to talk about biology and medicine of one or other species."

A fan of Falconry, Mark unfortunately don´t have enough free time to handle and train every day a bird of prey, due to his work as a veterinarian. Even with advances his vision of Brazilian Falconry is negative, and he monitors its progress with distrust and pessimism.

"I evaluate falconry expansion in Brazil as relevant in the completion of an ancient and world art. What amazes me in Brazil is the amateur level in relation to falconry. In fact, the amateurism is intricate in our culture. I believe that Brazil won´t have over the years no actual representation in the world of falconry. "

Marcos believes that everyone has the right to have a bird of prey, considering he/she knows how to take care of the species. He doesn´t believe that these birds should only be acquired by falconers who work with wildlife control.

"Once again we justify our amateurism and prove the pursuit of market reserve in an area that is free throughout the rest of the globe. The right to have an X or Y bird is from who acquires it. Regardless of the purpose, in other words, the same can be raised or handled as a pet or trained to hunt. "

When asked about his position on the legalization of hunting with raptors, he is in favor, but with control and regulation:

"If I am in favor of hunting with raptors? Yes and No. Yes if it is regulated and practiced in game farms. And not in the way it is currently done in illegality."

From the clinical point of view, considering that he takes care of most birds of prey of Belo Horizonte and region, he points out that the major problems found in birds of prey are caused by inadequate handling and poor diet, which demonstrates a lack of preparation by their owners.

"The most common changes and it is noteworthy that it is present in most birds, raptors or not, are linked to diseases of nutritional nature and wrong handling. An overwhelming majority of raptor´s owners don´t know how to handle their birds regarding prevention and nutrition. "

Prevention is the only way to maintain the health and longevity of a bird, he said. So he advises all new owners of a bird of prey to bring their birds to a Specialist Wildlife veterinarian.

Owls are a separate case, increasingly popular as exotic pets the demand far exceeds the supply. Because of this imbalance, often one has to wait for years on waiting lists of legalized breeders. Marcos sees this as vexatious and amateur:

"While there won´t be seriousness in our country in terms of legalized sale of exotic wildlife and pets this situation will last. We need to expand the number of legalized breeders to solve this problem. Yes, owls are birds that delight for their mystery of being a nocturnal bird. And the variety of sizes and colors create a fascination for the human being and this charm creates a demand market for these birds. "

Marcos has a successful trajectory and an enviable academic record. His clinic is the destiny for the prevention and treatment of raptors and other exotic and wild species, in addition to domestic ones. His staff is very competent and ready to attend us and take good care of our birds of prey. Even with so much work he still finds time to help both the recue group called VetResgates and his NGO Selvagem sem Fronteiras. I wish him more and more success and thank you for the interview. Continue making a difference!

Entrevista con

Marcos Vinícius de Souza


Marcos Vinicius de Souza es un veterinario especializado en silvestres y propietario de la clínica VETFAUNA especialidades veterinarias en Sarzedo (Cerca de Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil), una empresa dedicada al atendimiento especializado de animales de compañía, silvestres y exóticos. Su clínica cuenta con un personal médico compuesto por profesionales altamente cualificados, y con toda su estructura y equipo son los más sofisticados en el mercado veterinario. Los propietarios de las aves de presa de Belo Horizonte y región saben que cuando es necesario se puede contar con su clínica que sabe cómo cuidar de las rapaces. Además, Marcos también tiene una ONG que rescata y cuida de animales silvestres, y siempre está ayudando a las agencias ambientales en la rehabilitación de varias especies, incluyendo rapaces.

Desde muy temprana edad le ha dicho a toda su familia que quería ser veterinario, nunca dudó de su vocación. Él cree que su profesión trasciende otras vidas, ya que la ejecuta en su día a día de forma muy natural.

Al iniciar sus estudios en la universidad era un practicante asiduo de la equitación clásica, y su objetivo era dedicarse a los equinos. Pero los animales salvajes lo han elegido, y no al revés. A lo largo de su graduación, él se fue involucrando en este nicho de mercado y desde entonces se ha dedicado a los salvajes y exóticos.

Su clínica Vetfauna ubicada en Sarzedo, cerca de Belo Hozitonte es la referencia para el tratamiento de las aves de presa, todos los animales salvajes y exóticos. Su infraestructura es increíble, todo fue construido para una correcta gestión de estos animales, incluidos los grandes felinos.

"El VETFAUNA Especialidades de Veterinaria fue fundada en los moldes en los que hoy trabajamos en marzo de 2015. Es una clínica joven pero cuenta con la práctica profesional de su propietario de más de 10 años y con un alcance a nivel nacional. Ofrecemos hoy un personal médico altamente calificado, lo mismo es formado por un equipo técnico permanente y por veterinarios colaboradores en sus áreas de especialidad. Las instalaciones son orientadas a la gestión de la vida silvestre de acuerdo con las necesidades biológicas de la especie. Y toda la tecnología disponible en el mercado nacional para apoyar la exactitud de los diagnósticos y pronósticos.”

Marcos es aún activo en el grupo llamado “Vet´s Resgates” , un grupo formado por veterinarios especializados en el rescate después de un desastre natural o accidental, donde todos los miembros tienen una amplia experiencia en el trabajo de campo en diversas condiciones ambientales y climáticas. Él nos cuenta cómo surgió el grupo:

"La idea de crear este grupo se produjo después de mi trabajo como veterinario en el desastre ambiental causado por la empresa minera Samarco. Yo y otros colegas veterinarios estamos en Mariana - MG desde de la fecha de cinco de noviembre, fecha en la cual ocurrió la tragedia, yo en particular llegué a la ciudad el 9 de noviembre. Tengo casi 90 días laborables como veterinario en este que es el mayor desastre ambiental en el mundo. Como el área de Medicina Veterinaria de Desastres es nuevo en el mundo e incipiente en Brasil, la decisión de formar un grupo de veterinarios especializados en este tipo de evento se ha convertido en una prioridad. Puesto que vivimos en un país tropical y que tiene también minería, y que es propicio a este y otros tipos de eventos naturales o hechos por el hombre ".

Marcos también tiene una ONG llamada “Selvagens sem fronteiras” (salvaje y sin fronteras), que rescata, trata y rehabilita varias especies de animales salvajes. Su ONG fue fundada hace más de 10 años y actúa en el sector veterinario en todo el país, y está implicada en proyectos muy importantes de conservación ex situ e in situ:

"Además de la atención clínica, quirúrgica y dental proporcionada en criaderos y parques zoológicos, la ONG también opera en el campo de la investigación en cuanto a la preservación de las especies en peligro de extinción, trabajando para la Biología y Medicina de la Conservación. El proyecto actual de conservación ex situ se centra en el tratamiento y rehabilitación de aves de presa que se dirigen a algunos centros de investigación o que son directamente enviados a VETFAUNA Especialidades Veterinarias. Y la conservación in situ incluye la "encuesta epidemiológica Bothrops insularis en la Isla de Queimada Grande (Isla de las serpientes), en la costa sur de Sao Paulo (Itanhaem - SP) a 32 km del continente; otro proyecto que ya está en el horno es para la conservación de la nutria gigante (Pteronura brasiliensis) en la región de Goiás y Mato Grosso ".

Trabajar con el rescate de animales salvajes es siempre un reto, y durante muchos años de trabajo, Marcos ya se involucró en situaciones complicadas. El más difícil de rescate que hizo fue de un zorro cangrejero ((Cerdocyon thous ) que cayó en un pozo no activo. Fue necesaria la ayuda de los bomberos para ayudar en la bajada hacia el animal. Lo más interesante es que el zorro no sufrió ningún daño y de inmediato regresó a la libertad.

Acerca del mercado de mascotas exóticas en Brasil, Marcos cree que estamos muy por detrás y tenemos que cambiar pronto esta realidad alarmante. Según él somos el único país del mundo sin un comercio activo en relación a la vida silvestre nativa o exótica, propiciando el mercado ilegal de estos animales. Se necesitan cambios y él es totalmente a favor de la liberación de la venta legalizada de estos animales.

"El mercado de mascotas exóticas es débil y en su mayoría inexistente, así que la mayoría de los animales que se venden son frutos de un comercio ilegal. Vivimos en un país donde los órganos u organismos responsables por este y otros temas relacionados con la fauna son todavía muy aficionados. Eso es evidente en relación al comercio de vida silvestre o exóticos ya que nuestro país no se sigue o no cumple con la CITES. Dado que esta convención regula todo relacionado con la comercialización de especies nativas o exóticas y en peligro de extinción o no. Estoy a favor de la liberación de 100% de todas las especies nativas o exóticas para la venta. Así es como se hace en el resto del mundo. Lo que nos falta es seriedad y ganas, y me refiero a las agencias ambientales, de manera que esta actividad sea legal en nuestro país ".

Marcos cree que es difícil de definir el perfil de los propietarios de mascotas exóticas / salvajes en Brasil, ya que es un grupo muy heterogéneo. Pero los mayores problemas de los propietarios se dividen en no saber bien acerca de la especie que se crea, o creer que se sabe todo sobre ella, pero en realidad sólo domina su entrenamiento y no su biología. En ambos casos el manejo inadecuado puede ser fatal para el animal.

"La gran mayoría son personas no vinculadas profesionalmente al campo biológico o médico y que tienen una atracción o un hobby por para estos animales. Una abrumadora mayoría, o más bien, el 99,99% creen que conocen las especies que están creando y que dominan el manejo de este animal. Pero la rutina en la clínica nos muestra todo lo contrario de esta realidad. Y el factor agravante en este sentido es que en Brasil hay varios "dueños" que se dicen conocedores de determinada especie o grupo taxonómico. Piensan ellos que el dominio de la técnica de entrenamiento de los animales los capacita para hablar acerca de la biología y la medicina de esta u otra especie ".

Un aficionado de la cetrería, Marcos lamentablemente no tiene suficiente tiempo libre para manejar todos los días y entrenar un ave de presa, debido a su trabajo como veterinario. Mismo con avances, su visión de la Cetrería brasileña es negativa, y él ve su desarrollo con desconfianza y pesimismo.

"Evalúo la expansión de la cetrería en Brasil como pertinente para la complemetación de un arte antiguo y mundial. Lo que me sorprende en Brasil es el nivel amateur en relación a la cetrería. De hecho, el amateurismo está intrincado en nuestra cultura. Creo que Brasil no tendrá a lo largo de los años ninguna representatividad en el mundo de la cetrería".

Marcos cree que todos tienen el derecho de tener un ave de presa, siempre y cuando sepan cómo cuidar de la especie. Él no cree que estas aves sólo deberían ser adquiridas por los cetreros que trabajan con control de fauna.

"Una vez más justificamos nuestra amateurismo y demostramos una búsqueda de reserva de mercado en un área que es libre en todo el resto del mundo. El derecho a tener una ave X o Y es de quien la compra. Independientemente de la finalidad, o es decir, la misma se puede crear o mantener como mascota o entrenarla para cazar ".

Cuando se le pregunto acerca de su posición sobre la legalización de la caza con aves de presa, él dijo que está a favor, pero con control y regulación:

"Si yo estoy a favor de la caza con las rapaces? Sí y No. Sí si se regula y se practica en fincas de caza. Y no por la forma en que se realiza actualmente en la ilegalidad".

Desde el punto de vista clínico, teniendo en cuenta que atiende a la mayoría de las aves rapaces de Belo Horizonte y región, señala que los principales problemas encontrados en las aves de presa son causados ​​por manejo inadecuado y por mala alimentación, lo que demuestra la falta de preparación sus propietarios.

"Las alteraciones más comunes, y es de destacar que se encuentran presentes en las aves rapaces y no rapaces, están vinculados a enfermedades causadas por problemas de nutrición y manejo. La gran mayoría de los propietarios de aves de presa no saben manejar sus aves en respecto a la prevención y la nutrición".

La prevención es la única manera de mantener la salud y la longevidad de un ave, dijo. Así que se aconseja a todos los nuevos propietarios de un ave de presa a llevarlo a un veterinario especialista en vida silvestre.

Los búhos son un capítulo aparte, cada vez más populares como mascotas exóticas, la demanda supera mucho la oferta. Debido a este desequilibrio, a menudo uno tiene que esperar años en la lista de espera de los creadores legalizados. Marcos ve esto como vejatorio y amateur:

"Mientras no haya seriedad en nuestro país en términos de la venta legalizada de los animales salvajes y exóticos esta situación va a durar. Tenemos que ampliar el número de centros de cría legalizado para revertir este problema. Sí, los búhos son aves que encantan por su enigma por ser un ave nocturna. Además, la variedad de tamaños y colores crean una fascinación para el ser humano y este encanto crea una demanda de mercado para estas aves".

Marcos tiene una trayectoria de suceso y un histórico académico envidiable. Su clínica es el destino para la prevención y el tratamiento de las rapaces y otras especies exóticas y silvestres, además de las domésticas. Su personal es muy competente y cuidan muy bien de nuestras aves de presa. Mismo con tanto trabajo él todavía encuentra tiempo para ayudar tanto en los rescates del grupo VetResgates en su ONG Silvestre sin Fronteras. Le deseo cada vez más éxito y gracias por la entrevista. Continúe haciendo la diferencia!

Referências:

http://www.vetfauna.net.br/

#saúde

35 visualizações

Kátia Boroni é jornalista, e escreve sobre Falcoaria, aves de rapina e

Educação ambiental para os sites Diário de Falcoaria e Corujando por aí. 

 

Kátia Boroni is a journalist, and writes about Falconry, birds of prey and environmental education for the websites Diário de Falcoaria and Corujando por aí.

Webmaster: Kátia Boroni 2015

 MTB: 002.0435/MG