• Kátia Boroni

CEPAR - Novo criatório de aves de rapina



Novo criatório comercial de Aves de Rapina - CEPAR

Entrevista com o proprietário Junior Cepar

Contato: cepar@ceparambiental.com.br

Instagram: @jrabreum


Como surgiu a ideia de abrir um criatório?


Desde criança sempre gostei da parte de reprodução, seja ela de periquitos, peixes, hamster etc. Quando a Falcoaria surgiu na minha vida eu já pensei em reprodução, com isso comecei a construir recintos em um sítio que tinha em salvador/ba para que quando o ibama voltasse a autorizar a abertura de novos criadores, já estaria com tudo pronto e era só dar entrada. Esse sonho então foi adiado tanto pela demora, demora essa que venho aguardando desde 2010, quanto por ter me mudado para o Rio de Janeiro e ter que me dedicar com maior intensidade nos trabalhos de Falcoaria tanto no aeroporto do galeão, quanto nos controles de pombo que minha empresa CEPAR realiza em diversos estados. Paralelo a isso consegui organizar as coisas e voltar com aquele sonho que tinha dado uma pausa, adquiri um sítio e comecei a construir os recintos, mas antes disso, viajei pra fora, visitei muitos criadouros de vários países, estudei bastante, troquei muita informação para construir os recintos que se adequassem melhor à nossa realidade. E hoje é um sonho que finalmente consegui realizar, com o apoio de muitos que estão ao meu redor, vivendo esse sonho que agora é uma realidade e com certeza irão usufruir disso.





Quais os seus critérios para a escolha das espécies a serem disponibilizadas?

Os critérios eu divido de acordo com o gênero. As corujas, como são normalmente utilizadas como pet, utilizei o critério tentando englobar todos os tamanhos para tentar alcançar tanto aquelas pessoas que não tem muito espaço para uma coruja grande, quanto às que tem, e também a questão da beleza e do manejo em cativeiro. Quanto aos gaviões e falcões utilizei o simples critério de aves que penso que tenham potencial para Falcoaria, tentando englobar tanto aqueles que curtem alto voo, quanto os que preferem baixo voo.

Algumas das espécies que serão disponibilizadas em breve são:

Falco femoralis, Falco peregrinus, Falco deiroleicus, Falco rufigularis, Accipters, Tyto furcata, Strix hulula, Asio clamator, entre outras.

Como é o processo para a aquisição das matrizes?


Como me preocupo muito com o genótipo e o fenótipo, busquei introduzir no plantel aves que já havíamos utilizado nos trabalhos, que já tinham comprovado a eficiência que buscamos e as características comportamentais e anatômicas, características estas que eu, Junior Abreu, observei e busco como qualidade para as atividades que desempenhamos. Como muitas das especies que buscamos reproduzir ainda não foram comercializadas no Brasil, algumas tivemos que importar tanto da Alemanha quanto da Espanha, e outras estão sendo adquiridas da União (cetas, ibama, crás). Algumas de nossas aves já nascidas no criadouro tivemos a preocupação de testar, antes mesmo de comercializarmos, e elas nos deixaram bastante satisfeitos.

Quais espécies já estão disponíveis para venda e como comprar?

Hoje temos casais de diversas espécies, e mais alguns para chegar, porém como o gavião asa de telha (Parabuteo unicinctus) não segue muito um período reprodutivo, reproduzindo praticamente o ano todo, temos nesta data 03/08/2018 somente filhotes deles, mas já estamos iniciando a temporada reprodutiva e já temos casais de falcões, gaviões e corujas juntos há algum tempo, esperamos que esta temporada reprodutiva de 2018 seja boa.

Quais são os maiores desafios de se administrar um criatório?

O maior desafio é saber administrar sem, desculpe a expressão (não contar com o ovo no ... do Gavião, falcão e coruja), eles são animais e não máquinas, nossa parte devemos fazer, que é proporcionar recintos favoráveis para que se sintam bem para reproduzir, uma boa alimentação suplementada, higienização correta e torcer para que tudo corra bem e quando a natureza decidir vai vir. Não costumo criar expectativa, pois isso faz muito mal para mim que sou muito ansioso, e a decepção é bastante frustrante e isso não faz bem pra criação que é um negócio. Por isso valores e reservas só são realizados após alguns dias de nascido, desta forma às chances são mínimas do cliente ficar frustrado e acabar denegrindo seu nome, o qual levou tanto tempo para construir, e um sonho que passou a ser realidade e algo prazeroso deixa de ser, se tornando um pesadelo e gerando problemas constantes.

Qual o diferencial do seu criatório?


Difícil falar de diferencial, conheço todos os criadores hoje do Brasil e todos têm muitas qualidades e defeitos como todos no mundo tem. Acredito que aqueles que mantiveram erros logo mais acabarão, pois só se mantiveram até agora por falta de concorrência. Com a abertura de novos criadouros, ou você atende melhor seus clientes ou ficará para trás, é a velha lei da oferta e da procura. Mas meu diferencial deixo para que os falcoeiros que venham adquirir aves minhas comparem e digam, mas de antemão a honestidade e a clareza é algo que prezamos.

Como você avalia o impacto do seu criatório na falcoaria brasileira?

Creio que venha impactar mais na forma como os criadouros tratam seus clientes, também os falcoeiros e corujeiros terão um leque maior de aves para voar e evoluir na Falcoaria. Como buscamos testar algumas espécies antes (pelo menos seus pais e irmão foram testados), essa preocupação de uma seleção genética com as características que citei acima, faz com que as aves comercializadas aumentem as chances de bons resultados na Falcoaria. Como haverão mais aves sendo comercializadas, isso fará com que aumente a divulgação da Falcoaria, fazendo com que ela ganhe mais força no Brasil.


Como o seu criatório irá facilitar o seu trabalho no controle do aeroporto do galeão?

Já está facilitando rs, temos bastante dificuldade em adquirir aves assim como todos, com o criadouro essa dependência que tínhamos reduziu um pouco, fazendo com que melhoremos os resultados por aumentar o número de aves e principalmente por arriscarmos mais devido à disponibilidade maior que temos agora, com isso nossa Falcoaria cresce e os resultados no trabalho só tendem a melhorar. Em outros países onde se tem grandes falcoeiros, eles evoluem com maior facilidade principalmente pelo fato de terem uma oferta grande de aves para comprar quando quiserem, com isso arriscam mais e são nestes riscos que você deixa de limitar a ave e consegue grandes resultados.

Agradeço mais uma vez pelo convite e parabéns pelo projeto que vem desempenhando com tanto carinho e dedicação. Conte sempre conosco.

Contato:




#controledefauna #criatórios #diariodefalcoaria #FalcoariaBrasileira #FalcoariaFalconrycetreria

Kátia Boroni é jornalista, e escreve sobre Falcoaria, aves de rapina e

Educação ambiental para os sites Diário de Falcoaria e Corujando por aí. 

 

Kátia Boroni is a journalist, and writes about Falconry, birds of prey and environmental education for the websites Diário de Falcoaria and Corujando por aí.

Webmaster: Kátia Boroni 2015

 MTB: 002.0435/MG