• Kátia Boroni

Alimentação de rapinantes

Atualizado: há 3 dias



Pautas básicas de um programa de alimentação

Traduzido de FORBES, Neil. A. e FLINT, Colin G. Raptor Nutrition

Como princípio básico, é importante lembrar que cada espécie de predadores tem evoluído ao longo de milênios para preencher nichos ecológicos específicos (Brue, 1994). O fato de que os predadores consumem presas também envolve a ingestão de partes descartáveis ​​do animal, tais como o pele e penas, músculos, ossos, vísceras e conteúdos intestinais da presa. Quando ofertamos alimento para aves em cativeiro, temos que levar em conta todos estes aspectos. Qualquer alteração na dieta das aves, mesmo entre diferentes espécies de rapinantes, em cativeiro ou em liberdade, pode resultar em uma mudança nas proporções relativas das substâncias consumidas.


Foi confirmado que a necessidade de comida para os predadores varia com o tamanho da ave. Abutres, milhafres e águias precisam de cerca de <10% de umidade por dia, no alimento, de sua massa corporal; falcões grandes e espécies de accipiter entre 10-15%, enquanto que nos falcões pequenos e accipters necessitariam entre 20-25% (Craighead et Craighead 1969, Brown 1978, Kirkwood 1980 et 1985).

Portanto, o total de alimento necessário pode ser observado como uma correlação entre a eficiência digestiva de cada ave e sua taxa metabólica. Barton et Houston (1993) estimaram a eficiência digestiva de várias aves de rapina no verão (> 20 ° C) e no inverno (0) alimentadas com uma dieta para pintos de um dia, que podemos ver na tabela a seguir:


Como parte do mesmo estudo, Barton e Houston descobriram que a eficiência digestiva afeta a massa corporal quando se alimentam as aves com uma variedade de alimentos. Quando a alimentação é baseada em coelhos de 8 dias, o peregrino perde uma média de 5,01% de sua massa corporal inicial, o Buteo buteo ganha 2,78%. Quando alimentados com a mesma massa de pombos, os peregrinos ganham uma média de 1,81% da massa corporal inicial, e o Buteo buteo ganha significativamente mais massa corporal do que os peregrinos quando eles são alimentados com coelhos ou pombos. Tenha em mente que a amostragem da ingestão de carne analisadas para este estudo foi de apenas carne magra, separando toda a egagrópila e gordura. Portanto, os resultados podem variar se o repetimos com a egagrópila, gordura e os esqueletos.

Enquanto Barton e Houston estudavam a eficiência digestiva, outros ainda levaram em conta as taxas metabólicas. As taxas metabólicas afetam a capacidade da ave de rapina de manter um balanço energético positivo e isso influencia as adaptações morfológicas, fisiológicas e de comportamento. As médias metabólicas são influenciadas por vários fatores, incluindo clima e a latitude (Weathers 1979). O gasto metabólico basal (GMB) é igual ao número de quilocalorias de energia que um animal em repouso precisa para manter seu funcionamento vital, como manter a respiração, a circulação, o metabolismo, a digestão de alimentos, o sistema imunológico, a temperatura corporal (homeostase).


As aves têm um dos mais altos níveis de GMB entre os vertebrados, já que elas são endotérmicas: a temperatura do corpo é mantida através da conversão de alimentos em energia. Além disso, há uma relação inversa entre o tamanho corporal e a taxa metabólica, quanto menor o predador, mais alto é o nível de GMB. Embora aves maiores comam mais, elas precisam de uma porcentagem significativamente menor de sua massa corporal como alimento diário.

Infelizmente, não é um tema simples calcular a GMB das nossas aves e as relacionar com o teor calórico dos alimentos que as fornecemos. Nem todas as quilocalorias dos alimentos que nós fornecemos a nossos rapinantes estão disponíveis para a ave. Algumas se perdem como parte não digerível e são removidas sob a forma de egagrópila ou pelas fezes. A parte útil dos alimentos gera a energia metabolizável (EM) desta comida, e pode ser considerada como a massa de energia (ME) da alimentação, menos as quilocalorias contidas tanto na egagrópila quanto nos excrementos.

Novamente, não é tão fácil relacionar a EM com a GMB, uma vez que a EM da alimentação varia de acordo com:

• O tipo de alimento;

• O método de preparação muda, patas etc.;

• A quantidade de egagrópila restante de alimentos.

A porcentagem do total de energia da alimentação que está disponível como energia metabolizável varia, por exemplo, para pintinhos de um dia a 85% (Duke et al. 1973) ou para ratos de laboratório a 75% (Kirkwood 1979). Toda a energia metabolizável que nós fornecemos a um predador em períodos não ativos, adicional ao GMB é convertida e armazenada como gordura para uso posterior, quando o falcão tem menos alimentos ou é mais ativo de modo que suas necessidades energéticas são mais elevadas, por exemplo, durante o tempo frio, de muda ou reprodução.

Os falcoeiros experientes aprenderam o exposto anteriormente através da observação do peso de suas aves quando alimentadas com diferentes alimentos em diferentes condições. Em outras palavras, em temperatura constante os diferentes alimentos adicionam mais ou menos peso ao alimentar predadores específicos. Essas diretrizes nos permitem controlar o peso no treinamento de falcoaria.

Kirkwood (1980) calculou a EM necessária de alguns predadores, como mostrado na Tabela 2:

Tabela 2: Necessidades das aves de rapina


No entanto, há a tentação de avaliar as necessidades alimentares de nossos falcões somente em termos de necessidades energéticas do EM para manter os níveis de RMB (ritmo metabólico basal), ou em outras palavras como corretamente alimentar as aves, a fim de manter o peso de voo e caça apropriado. Essa fixação sobre a quantidade de alimento que as aves devem ingerir, pode levar infelizmente a uma desatenção da qualidade e variedade alimentícia.


Com o objetivo de manter pesos constantes, os falcoeiros podem ser tentados a seguir uma dieta fixa durante a temporada de caça (e muitas vezes durante o período de reprodução), já que o cálculo e controle de peso são mais fáceis quando se utiliza apenas um tipo de alimento.

A alimentação, no entanto, é mais do que o conteúdo do EM / kcal, e assim como na alimentação varia de acordo com o tipo, também acontece para o conteúdo nutricional nos termos de disponibilidade nutricional, composição e proporção de vitaminas e minerais que contem. Um falcoeiro de hoje tem que saber o valor nutritivo de uma gama de alimentos, para assim poder desenvolver uma dieta que seja adequada em termos de conteúdo de energia e vitaminas e teores de minerais. Não é aceitável o uso de um único tipo de alimento e adicionar um suplemento alimentar.

Referências:

Traduzido de:

FORBES, Neil. A. e FLINT, Colin G. Raptor Nutrition. Páginas 9-11.

Disponível em: http://www.gwexotics.com/wccms-resources/1/c/6/a/30c4a98c-b62d-11e0-a685-0050568626ea.pdf Acesso em: 14/06

#alimentação #feeding #birdsofprey #diariodefalcoaria #falcoaria #falconryjournal #jornalismofalcoeiro #falcoaria #hawks #gaviões #falcoes #águias #cetrería #hawking #harrishawk #parabuteo


310 visualizações

Webmaster: Kátia Boroni I  MTB: 002.0435/MG

Copyright © 2015-2020 - Diário de Falcoaria - All rights reserved