• Kátia Boroni

Questões emergenciais



Muitas vezes não sabemos a dimensão exata de como a interferência humana prejudica as espécies de fauna e flora nativas. As aves de rapina, por estarem no topo da cadeira alimentar, são afetadas por inúmeras substâncias químicas usadas nas suas presas, como venenos e antibióticos. O chumbo também pode matar as aves causando envenenamento ao comerem carcaças de animais caçados por arma de fogo. A energia eólica é uma fonte limpa e sustentável, mas mata milhares de rapinantes que ao planarem perto dessas estruturas são sugados e atingidos pelas suas hélices e feridos mortalmente. Saber as causas do impacto humano na população dos rapinantes é o primeiro passo para evitar a sua dizimação. Abaixo segue um breve texto sobre as questões emergenciais de conservação, traduzido do site Raptor Search Foundation.

Questões emergenciais de conservação * Emerging Conservation Issues

Traduzido de: http://www.raptorresearchfoundation.org/conservation

Como predadores no topo da cadeira alimentar, as aves de rapina muitas vezes existem em baixas densidades e apresentam baixas taxas reprodutivas. Rapinantes normalmente exigem grandes áreas cultivadas para buscarem o seu alimento, eles precisam de populações de presas saudáveis ​​para sua dieta, muitas vezes eles tem dietas especializadas, e eles têm uma propensão a concentrar toxinas ambientais. Por estas razões as aves de rapina são vulneráveis ​​e sensíveis à mudanças no ambiente e, portanto, podem servir como indicadores de uma biodiversidade mais ampla e da saúde ambiental. Em todo o mundo existem numerosos exemplos de aves de rapina afetadas nos seus níveis populacionais por toxinas ambientais e mudanças no uso da terra.

• Historicamente, os falcões peregrinos, águias carecas e outras aves de rapina diminuiram na América do Norte e Europa com o uso agrícola do DDT. As populações subsequentes se recuperaram depois que o DDT foi proibido no início dos anos 1970, mas demorou cerca de 30 anos para que as populações de algumas espécies conseguissem se recuperar o suficiente para que elas fossem removidas da lista de espécies ameaçadas de extinção nos EUA.

• Hoje, nos Estados Unidos, o criticamente ameaçado Condor da Califórnia (Gymnogyps californianus) não consegue sobreviver na selva, como resultado do envenenamento por chumbo causado por restos de munição nas carcaças dos animais abatidos pela caça com arma de fogo.

• Águias Carecas e Águias Douradas também morrem com esta fonte de exposição ao chumbo, embora os impactos nos seus níveis populacionais sejam difíceis de discernir.

• No Sul da Ásia, três espécies de abutre-de-bico-longo têm sido dizimadas por resíduos de diclofenac, um produto farmacêutico usado para tratar o gado que, posteriormente, torna-se alimento para os abutres.

• A colisão de aves de rapina com turbinas de energia eólica é uma preocupação atual; estas turbinas estão muitas vezes localizadas em áreas de vento constante favoráveis para a migração de aves de rapina, pelas mesmas razões.


• A Electrocução em linhas eléctricas continua a ser uma ameaça para as aves de rapina em todo o mundo, apesar dos avanços no design dos postes e claros benefícios para as empresas de energia para minimizarem a eletrocussão.

• O abatimento por arma de fogo, ou outras formas de perseguição direta humana, ainda é um problema significativo de conservação em todo o mundo, apesar de décadas de sensibilização do público e de divulgação. As Harpias, por exemplo, são dizimadas do seu habitat na floresta tropical na América Central, por caça com arma de fogo, antes mesmo da floresta ser desmatada.

• A perda de habitat é um problema para muitas espécies


endêmicas de ilhas em que a amplitude da espécie é limitada pelo tamanho da ilha e pelo habitat restante disponível. Por exemplo, o Buteo ridgwayi, uma espécie endémica da ilha caribenha de Hispaniola agora é encontrado apenas em um pequeno trecho de floresta no Parque Nacional Los Haitises. Tais espécies de amplitude limitada são vulneráveis ​​a eventos estocásticos naturais, como furacões, incêndios ou doença.

• Outro exemplo é a águia das Filipinas (Pithecophaga jefferyi); na terra natal desta espécie a floresta de planície foi quase totalmente devastada, e apenas pequenos fragmentos nas encostas mais íngremes das montanhas permanecem protegidos do machado. Batalhas entre forças do governo e insurgentes tornam a conservação desta espécie ainda mais difícil de enfrentar do que o habitual.

Emerging Conservation Issues

As top predators, raptors often exist at low densities and exhibit low reproductive rates. Raptors typically require large acreages in which to forage, they need healthy prey populations for their often specialized diets, and they have a propensity to concentrate environmental toxins. For these reasons, raptors are vulnerable and sensitive to change in the environment and thus, can serve as indicators of broader biodiversity and environmental health. Around the world there are numerous examples of raptors affected at population levels by environmental toxins and land use change.

• Historically, Peregrine Falcons, Bald Eagles and other raptors declined in North America and Europe with the agricultural use of DDT. Populations subsequently recovered after DDT was banned in the early 1970s, but it took about 30 years for populations of some species to recover sufficiently for them to be removed from the U.S. endangered species list.

• Today in the United States, critically endangered California Condors can not survive in the wild as a result of lead poisoning from spent ammunition in the scavenged remains of hunter harvested game.

• Na África Oriental, predadores que se alimentam de aves mortas são envenenados pela tentativa dos agricultores em controlar os predadores das suas criações, utilizando produtos químicos tais como o Furadan, um pesticida a base de carbamato muito barato.

• Nos EUA, as populações dos falcões quiri quiris (falco sparverius) diminuíram a nível regional, mas a(s) causa(s) continua a ser determinada e pode revelar-se mais de uma causa em grandes escalas espaciais e / ou temporais.

• Bald Eagles and Golden Eagles also die from this source of lead exposure, though population level impacts are difficult to discern.

• In South Asia, three species of Gyps vultures have been decimated by residues of diclofenac, a pharmaceutical used to treat livestock that subsequently become vulture food.

• In East Africa, avian scavengers are poisoned by pastoralists’ attempts to control predators of livestock using chemicals such as Furadan, a very low cost carbamate pesticide.

• In the U.S., American Kestrel populations have declined at regional levels, but the cause(s) remain to be determined and may prove to be more than one cause over large spatial and/or temporal scales.

Collision of soaring raptors with wind energy turbines is of current concern; these turbines are often are sited in areas of constant wind favored by migrating raptors for the same reasons.

• Electrocution on power lines remains a threat to raptors worldwide despite advances in power pole design and clear benefits to power companies to minimize electrocution.

• Shooting, or other forms of direct human persecution, is still a significant conservation issue worldwide, despite decades of public awareness and outreach. Harpy Eagles, for example, are depleted from their rain forest habitat in Central America by shooting even before the forest is cleared.

• Loss of habitat is a problem for many endemic island species where the species’ range is limited by the island’s size and available habitat remaining on it. For example, the Ridgway’s Hawk,a species endemic to the Caribbean island of Hispaniola is now found only in a small patch of forest in Los Haitises National Park. Such limited range species are vulnerable to natural stochastic events like hurricane, fire, or disease.

• Another example is the Philippine Eagle; in this species’ native land the lowland forest has been virtually completely cleared, and only small remnants on the steeper mountain slopes remain protected from the axe. Battles between government forces and insurgents make conservation of this species even more difficult to confront than usual.

Referência:

http://www.raptorresearchfoundation.org/conservation

#birdsofprey #educaçãoambiental

0 visualização

Kátia Boroni é jornalista, e escreve sobre Falcoaria, aves de rapina e

Educação ambiental para os sites Diário de Falcoaria e Corujando por aí. 

 

Kátia Boroni is a journalist, and writes about Falconry, birds of prey and environmental education for the websites Diário de Falcoaria and Corujando por aí.

Webmaster: Kátia Boroni 2015

 MTB: 002.0435/MG