• Kátia Boroni

A chegada de Thot



A chegada e primeiros dias

Chegou o aguardado momento, depois de 6 meses de espera a minha coruja macho Thot finalmente estava à minha espera na Gollog. A expectativa era imensa, assim como a responsabilidade que se iniciava ali, à abertura da caixa de transporte. A primeira lição que aprendi é que corujas crescem assustadoramente rápido. Eu sabia que ela ia chegar com 40 dias de idade, só não sabia que estaria do tamanho de um franguinho hahaha. Olhem a diferença entre a última foto de uma semana antes que o Ronivon me mandou e a foto da sua chegada.

Antes

Na chegada

Olhei e vi que a coruja estava bem e chegamos em casa. Fui tentar retirar o filhote da caixa e a segunda lição: imprint total não significa ave dócil no primeiro momento. É engraçado que mesmo depois de um ano de estudos, vários livros lidos, todos falam do amansamento das aves criadas pelos pais, mas não há tantos detalhes sobre o recebimento de filhotes, então a prática é realmente indispensável.

Eu confesso que achei que o filhote não fosse estar tão agressivo, dando display o tempo todo que eu me aproximasse. Para quem não sabe, display é como chamamos a ação de defesa e posterior ataque das corujas. Este comportamento é aprendido por volta dos 18 dias de idade, antes mesmo do anilhamento, e sempre que ela se sentir ameaçada vai abaixar a cabeça, balançar ela incessantemente, estalar o bico e assim que possível saltar com as garrinhas pra cima. Assustador, não é? Nessa hora o iniciante se desespera e pensa: tá tudo errado, esse bicho veio muito agressivo, ele é velho demais, e qualquer outra baboseira que puder pensar. Mas não é nada disso. As corujas do Ronivon são dual imprint com ênfase no total imprint, e eu vou explicar isso melhor. Dual imprint é quando o filhote é criado junto com os seus irmãos, passou um tempo com seus pais e depois é retirado e passa a ser criado na mão, ou seja, uma pessoa alimenta aquela coruja na mão criando assim um vínculo com o ser humano. A ênfase feita pelo Ronivon é no contato humano, porque as corujas tyto selvagens são extremamente agressivas com as pessoas, por isso o criador tem que ter este cuidado na criação dos filhotes para que ele se torne uma coruja dócil no futuro. A idade que ela foi enviada é, segundo o meu tutor Matheus Maia, a ideal para que ela fique mansa comigo e depois de se tornar adulta não se torne agressiva por achar que sou mãe dela. Conversando com o Ronivon ele também disse que esta idade é muito boa, e que em menos de uma semana a coruja estaria mansa.

Então você tem um filhote de coruja tyto, que adora se esconder em buracos escuros, e que não quer sair da caixa pra nada, e o seu primeiro contato com ela é tirando ela do seu local de segurança. É uma situação muito complicada para você e para a ave. Eu deixei a coruja dormir na caixa de transporte e no sábado de manhã a retirei da caixa e a coloquei nesta caixa grande transparente.

Não foi fácil e mais uma vez eu pensei, nossa que bicho bravo. Preparei a alimentação tirando o intestino dos camundongos já descongelados, cortando tudo em pedaços de um centímetro mais ou menos e apenas coloquei na caixa. Ele demorou mas comeu tudo.

A noite, meu tutor Mateus Maia veio me ajudar e me ensinar como amansá-lo. Com ajuda dele foi fácil de ver que o filhote de tyto fica bravo apenas se defendendo, não é agressividade de selvagem, é porque ele tem medo de tudo e de todos. O importante é não ter medo dele, não se preocupar porque ele não tem força ainda pra te machucar de verdade (e posso afirmar porque já levei bicada e patada e nem furou a pele) e manusear corretamente para não machuca-lo.

Aprendendo a manusear o filhote


A parte mais tensa para a ave é tirar ela da caixa, e você pode fazer segurando com uma mão por trás ou como uma cordoninha, com as duas mãos. Depois de colocar no colo e ficar com uma mão de apoio atrás, ela vai ficando mais calma.

No dia seguinte, domingo de manhã, ele expeliu a sua primeira egagóprila*. Eu comecei a alimentá-lo na mão, usando uma pinça:


Primeira alimentação na mão


Preparei o alimento e retirei Thot da caixa e coloquei no meu colo. Ele já sabe que tem que subir pra minha mão, o que facilitou muito. Ele ainda fica assustado, mas já diminuiu bastante. Eu fiquei com ele no colo por um tempo e depois eu alimentei ele usando uma pinça.

Ele comeu dois camundongos com bastante gula. Já entendeu que na pinça tem alimento e quando batia com força nela era apenas para pegar a carne. Depois de alimentado o mantive no colo por mais tempo e o coloquei na caixa. Ele está visivelmente mais tranquilo, e a cada dia ficará mais. Thot está comendo aproximadamente 4 camundongos por dia.

Até breve,

Kátia Boroni.

Egragrópila: (Uma plumada, pelota ou egregófito, em ornitologia, é uma massa de matéria não digerida do alimento de aves que algumas espécies regurgitam ocasionalmente. A composição de uma plumada depende da dieta da ave, e pode incluir exoesqueletos de insectos, matéria vegetal indigesta, ossos, pelo, penas, bicos, garras e dentes.

#ThotsDiary #DiáriodeThot #tytofurcata #Corujasowls

18 visualizações

Webmaster: Kátia Boroni I  MTB: 002.0435/MG

Copyright © 2015-2020 - Diário de Falcoaria - All rights reserved